" Mister do Café: Reestruturação Financeira e as VMOC

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Reestruturação Financeira e as VMOC


Na sequência do post anterior sobre o aumento de capital, aqui fica um post sobre tudo o que os Sportinguistas precisam de saber sobre as VMOC, de acordo com o plano de reestruturação financeira. 

Para uma melhor compreensão deste post, sugiro a leitura do post sobre o "Aumento de Capital". (cliquem aqui)

VMOC?


Começo por explicar o que são as "VMOC", para que mesmo os leitores menos identificados com economia e finanças possam entender do que se trata. Vejamos:

A sigla VMOC significa "Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis". Na pratica, as "VMOC" são obrigações que rendem um determinado juro anual e que no final do prazo são convertidas em capital da sociedade.

Quando é que as VMOC entraram no Sporting?


Em 2011, na presidência de José Eduardo Bettencourt, o Sporting realizou a segunda "reestruturação financeira" da sua sociedade. A "operação harmónio", como ficou conhecida entre os Sportinguistas. Na altura, o plano visava a saída da "falência técnica". A SAD estava com capitais próprios negativos de 42,442 milhões de euros.

Esta reestruturação financeira teve dois momentos: Primeiro, com descida do capital social de 42 milhões para 21 milhões de euros, por redução do valor das acções de 2 para 1 euro. Depois, foi feita a emissão de 18 milhões de acções e consequente aumento do capital para 39 milhões de euros.

Para além destas duas "movimentações", a Sporting SAD lançou 55 Milhões de VMOC para o mercado. É importante esclarecer que qualquer pessoa poderia subscrever estes 55 Milhões de VMOC a uma taxa de juro anual de 3%. Na altura, a Sporting SAD não fez nenhum esforço no sentido de os particulares comprarem estas VMOC, pelo que nem sequer publicitou esta operação.

Ora bem, dos 55 Milhões em VMOC os particulares subscreveram 166.095,00 €, ficando o Millenium BCP e o Banco Espírito Santos com o restante (27.416.953,00 € cada um). A oferta pública de 18 milhões de acções registou sobras de 3,47 milhões de títulos que tiveram de ser absorvidos pelo Sporting CP nos termos do compromisso assumido com a banca.

Importa salientar que o Sporting ficou com opção de compra da totalidade destas VMOC, com vencimento em Janeiro de 2016 (5 anos depois).

O Godinho resolveu isso, de certeza absoluta!!! Ou então, não!?


Importa dizer que a emissão dos 55 Milhões de VMOC foi concretizada a 14 de Janeiro de 2011. No dia seguinte, José Eduardo Bettencourt pediu a demissão de Presidência do Sporting.



Curioso que Bettencourt tenha pedido a demissão precisamente no dia seguinte à subscrição das VMOC. O Sporting ficou aqui com um enorme problema entre mãos, que passava pela obrigatoriedade de ter de pagar 55 Milhões ao fim de 5 anos. Isto se quisesse manter o controlo da SAD.

Em Março desse ano, Godinho Lopes chegou à presidência do Sporting através de uma golpada eleitoral. A nova direcção sabia perfeitamente que teria de levar a cabo uma gestão financeira muito rigorosa, para conseguir preparar o clube para pagar os 55 Milhões de VMOC deixadas por José Eduardo Bettencourt. Foi isso que foi prometido aos sócios.

Das promessas à realidade, Godinho Lopes deixou um buraco no Sporting de cerca de 90 Milhões de euros. Se à partida o Sporting precisava dos 55 Milhões para liquidar as VMOC, ficou ainda com um problema adicional: Mais 90 Milhões "para o prego". E isto para não falar no passivo galopante da SAD e das contas do clube.

Em Março de 2013 chegou a hora de Bruno de Carvalho. Estamos todos lembrados das duras negociações com a banca no início do mandato. Hoje, parece que as pessoas se esqueceram que o clube tinha um PER em cima da mesa e que a ameaça à sobrevivência do clube foi bem real. Felizmente, Bruno de Carvalho conseguiu fazer um acordo de reestruturação financeira que apesar de ser muito duro e de ter fortes limitações, deu ao clube a possibilidade de ser dono do seu destino.

O que estava planeado na Reestruturação financeira para as VMOC?


Para além de um conjunto de medidas que tenho vindo a falar ao longo do tempo, o plano de reestruturação contratualizou a questão das VMOC de forma clara. Vejamos:



Como podem ver neste print retirado do acordo de reestruturação financeira, disponibilizado pelo Footballeaks, existem 3 tipos de VMOC: A, B e C. Começo por explicar individualmente.

VMOC A - São as VMOC emitidas por José Eduardo Bettencourt em 2011. Tinham vencimento em 2016. As tais que temos vindo a falar até agora.

VMOC B - São as VMOC negociadas com a banca por Bruno de Carvalho no valor de 80 Milhões (2015-2025). Como vimos, Godinho Lopes deixou um buraco de 90 Milhões de Euros, por isso foi preciso emitir estas VMOC B a 10 anos, para que o Sporting tivesse condições de no espaço de uma década equilibrar as suas contas e encontrar meios de liquidar este montante.

VMOC C - São VMOC a contrair para liquidar as VMOC A. Passo a explicar de seguida.

VMOC C para liquidar VMOC A? 


Obviamente, quando Bruno de Carvalho entrou no Sporting e face às enormes dificuldades financeiras da SAD, não haveria condições para que em apenas duas épocas esta direcção arranjasse 55 Milhões de Euros para liquidar as VMOC A. Por isso, em sede de reestruturação financeira ficou definida a criação de umas VMOC C para liquidar as VMOC A "na data de vencimento daqueles valores mobiliários" como está no print anterior, ou seja em Janeiro de 2016.

Informação essa que foi sempre do conhecimento de todos, como podem verificar nas propostas apresentadas pelo conselho directivo antes e durante a Assembleia Geral de 30 de Junho de 2013 no Pavilhão da Ajuda, onde os sócios deliberaram sobre o plano de "reestruturação financeira". Aqui está o print:


Desde esse dia, a Sporting SAD está mandatada pelos sócios para emitir 55 Milhões de VMOC. As tais VMOC C. Como podem verificar neste print, o Sporting não tem o direito de compra destas VMOC C, uma vez que servem para "anular" as primeiras VMOC A. Era isto que estava planeado.


Simulação do plano da reestruturação financeira




- À esquerda está a actual estrutura accionista onde o Sporting detém cerca de 64%.

- No meio, está feita a simulação para a entrada dos investidores no montante de 18 M como vimos no post sobre o aumento de capital. Mesmo assim o Sporting mantém a maioria da SAD.

- No quadro mais à direita está a conversão das VMOC A em capital da SAD. Ou seja, o Sporting emitiria as VMOC C no valor de 55 M para pagar as VMOC A no mesmo valor. Nessa altura manteria na mesma a maioria do capital da SAD com cerca de 70% e ficaria com duas emissões e VMOC pendentes: VMOC B de 80M + VMOC C de 55M.

Então mas o Sporting não renovou as VMOC A?


Em Janeiro de 2016 e em Assembleia Geral de Titulares de VMOC, foi deliberada a substituição da data única de conversão obrigatória de VMOC de 17 de Janeiro de 2016 para 26 de Dezembro de 2026, conforme podem verificar em baixo.



Os detentores de VMOC ficaram ainda com a possibilidade de entre o dia 11 e 15 de Janeiro de 2016 de exercerem a conversão das VMOC em capital da SAD caso assim o entendessem. Tal e qual o que foi afirmado por Bruno de Carvalho à saída da reunião. 


Resumindo:

Em termos técnicos, o Sporting acabou por não renovar estas VMOC A, mas sim adiantar o prazo de conversão em cerca de 10 anos. Se bem se recordam, esta foi mais uma negociação complicada para o Sporting, na linha do que aconteceu com a reestruturação financeira.

Na pratica, este adiamento destas VMOC A permitiu ao Sporting não ter que emitir as tais VMOC C para liquidar as VMOC A. Uma jogada brilhante desta direcção que dá ainda mais margem de manobra para que o Sporting consiga liquidar todas as suas obrigações futuras.

E as VMOC B dos 80 Milhões?


A emissão destes 80 Milhões de VMOC em 2015 estava já prevista na reestruturação financeira aprovada em 2013. Deste montante, importa salientar que o Sporting só ficou com opção de compra de compra de 44 Milhões do valor nominal das acções.


Trocando por miúdos, isto quer dizer que destes 80 Milhões de VMOC B o Sporting só tem o direito de opção de 44 Milhões, ficando os restantes 36 Milhões nas mãos dos bancos e dos pequenos investidores, que podem gerir como bem entenderem. Tanto podem ficar accionistas da SAD como podem vender as acções no mercado. Se o Sporting tiver interesse nas acções pode fazer uma proposta, mas nunca haverá a obrigatoriedade de venda ao Sporting desses 36 Milhões.

E quanto é que vai custar a compra dos 44 Milhões de acções ao Sporting ?


Esta é uma das perguntas mais relevantes sobre este assunto. No acordo de reestruturação financeira divulgado pelo Footballeaks, existe uma formula de calculo previamente acordada para definir o preço de opção de compra das VMOC por parte do Sporting.


Fazendo aqui um breve exercício e tendo em conta que as acções do Sporting nos últimos 6 meses terão um valor médio a rondar os 60 cêntimos/acção.

Preço que o Sporting paga = 0,6€ x 1,2 x 44 M = 31,6 Milhões de Euros

Ou seja, isto quer dizer que se o Sporting adquirisse neste momento os 44 Milhões de acções "só" pagaria 31,6 Milhões de Euros.

Importa salientar mais dois pontos importantes:

A) - O Sporting nunca poderá pagar mais do que os 44 Milhões. É este o limite máximo.

B) - Em contas redondas, se o preço médio das acções nos últimos 6 meses for inferior a 0,83€ o Sporting "ganha" dinheiro ao comprar as VMOC. 

As contas ao dia de hoje


Hoje, o Sporting tem 135 Milhões de Euros em VMOC. Os 55 Milhões das VMOC A e os 80 Milhões das VMOC B. A qualquer momento pode emitir mais 55 Milhões de VMOC C para liquidar as VMOC A, como já vimos.

Destes 135 Milhões de VMOC, o Sporting tem opção de compra de 99 Milhões. Apenas 36 Milhões não têm opção de compra por parte do Sporting.

Vou agora fazer uma série de simulações para que percebam tudo:

Estrutura accionista actual


Sporting tem a maioria do capital da SAD com cerca de 64%. Em VMOC 135M= 55M de VMOC A + 80 VMOC B.

Simulação estrutura accionista após entrada dos investidores


Após a entrada dos 18 Milhões dos investidores, o Sporting mantém a maioria do capital com 50,38%. Em VMOC mantém-se os 135M = = 55M de VMOC A + 80 VMOC B

A emissão das VMOC C


Emitindo as VMOC C, a SAD liquidará as VMOC A. Terá ainda de comprar os 44 Milhões de acções das VMOC B.


Resumindo:

- Sporting emite as VMOC C e liquida as VMOC A. Esses 55 M das VMOC A são convertidos em capital leonino. O Sporting não tem opção de compra das VMOC C, pelo que a banca ficará com elas.
- O Sporting tem opção de compra de 44 M das VMOC B. Vai adquiri-las e mantém o controlo maioritário da SAD. Como vimos anteriormente, e se fosse à data de hoje poderia compra-las por cerca de 31,6 Milhões de euros.

Resumo do resumo:

Sporting nunca gastará mais de 44 Milhões de Euros em 2026 para manter o controlo da sua SAD. Dos 135 Milhões de VMOC a banca ficará com 91 Milhões.

Ó mister, mas o Sporting não está já a pagar à banca com as retenções das transferências?


A polémica em torno do valor retido nas transferências de Slimani e João Mario foi tanta, que as pessoas se esqueceram do essencial. Esse dinheiro serve para pagar à banca. Não é para "deitar ao lixo".

Os montantes retidos são num primeiro momento libertados para pagamento das obrigações correntes com a banca no final no exercício económico em curso. Se esses montantes estiverem liquidados, o tal "valor retido" fica na rubrica "Depósitos bancários à ordem - restritos".


Como podem verificar, no final do exercício 2015/2016, o Sporting tinha cerca de 3 Milhões de Euros acumulados para fazer face a obrigações futuras com a banca, entre as quais a liquidação das VMOC com opção de compra. Importa salientar que só em Slimani e João Mário esta rubrica crescerá cerca de 16 Milhões esta época, num movimento que será reflectido no final do próximo exercício económico a 30 de Junho de 2017.

Resumindo



Aqui fica o quadro publicado pelo Sporting no seu site, com a diversas alterações na estrutura accionista que foram delineadas em sede de reestruturação financeira.

Julgo que a "questão VMOC" fica aqui bem explicada. Em 2026, o Sporting terá de pagar um valor máximo de 44 Milhões de Euros, que como vimos pode ser inferior mediante a questão do preço médio dos últimos 6 meses. Para além disso, importa salientar que nas vendas de jogadores estão a ser retiradas percentagens importantes como "poupança" para pagar à banca. Só na venda de Slimani e João Mário foram cerca de 16 Milhões.

Em termos financeiros o Sporting encontra-se numa situação estável. Até ao final deste mês a SAD deverá apresentar os resultados do 1º trimestre de 2016/2017, que serão muito bons, uma vez que serão reflectidos os montantes das vendas do verão passado.

A CMVM deixou cair a obrigatoriedade de apresentação de relatórios trimestrais, ficando os clubes obrigados apenas à apresentação do relatório anual. O Sporting já anunciou que continuará com a sua política de transparência, publicando todos os relatórios trimestrais. Todas as informações deste post foram publicadas pelo Sporting com excepção do acordo de reestruturação financeira que foi publicado pelo Footballeaks.

Qualquer tipo de dúvida, deixem nos comentários em baixo. Mediante o meu conhecimento tentarei responder.

Agradecer a todos pelo apoio. Se ainda não seguem o Mister do Café nas redes sociais, podem começar já.

Link do Facebook: (cliquem)
Link do Twitter: (cliquem)

52 comentários:

  1. Boa tarde. Em primeiro lugar, obrigado pelo trabalho que aqui disponibilizou. Tenho uma dúvida. Não é ruinoso para a banca, em 2016, ter mais de 90 milhões "enterrados" no clube. Quantas décadas terão que aguardar para que esse valor se torne rentável através na forma de lucros distrbuiveis? Não é um péssimo investimento para a banca? Não seria preferível ter simplesmente emprestado esse dinheiro e vir a recebê lo mais tarde com os juros? Obrigado e um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Julgo que se referia a 2026.

      Vou tentar explicar de forma simples.

      Bem, para além destes 135 Milhões em VMOC, o Sporting deve mais dinheiro à banca. O acordo de reestruturação financeira foi feito com o objectivo de o Sporting conseguir reerguer-se e conseguir pagar as suas obrigações. A banca entre ficar sem nada e deixar falir o clube, optou por dar a oportunidade à SAD. E o acordo tem sido bom para ambas as partes.

      A banca está a receber e o Sporting esta a recuperar a saúde das suas finanças. A questão dos 90M "enterrados" não é assim tão simples. Primeiro importa salientar que as VMOC pagam juros. Depois dizer que em 2026 os 90 Milhões de acções que a banca deterá valem dinheiro. Se não acharem conveniente ter uma participação na SAD podem sempre vender a participação no mercado.

      Outra coisa importante. A banca ficará com 33% de uma empresa cotada em bolsa que valerá bem mais do que vale hoje, por via de todos os aumentos de capital. Estamos a falar de uma empresa que terá um capital social de 275 Milhões em 2026. Algo que também é importante para as contas consolidadas dos bancos em questão.

      O amigo pergunta "Não seria preferível ter simplesmente emprestado esse dinheiro e vir a recebê lo mais tarde com os juros?"

      O dinheiro já foi emprestado ao Sporting. As VMOC são dívidas que o Sporting tinha para com os bancos e que não estava a conseguir pagar. Se a banca mantivesse o empréstimo normal, o Sporting não conseguiria pagar. Era muita coisa. Ao passar dívida para VMOC, a banca também se salvaguarda pelo facto de ter uma garantia, que são as acções da SAD.

      Há também a questão de a SAD do Sporting ter como objectivo no curto prazo distribuir dividendos pelos seus accionistas. Esta é também uma forma de retribuir a confiança dos investidores como a Holdimo.

      Eliminar
    2. Sim, referia-me ao ano de 2026. Obrigado pela sua explicação. Continuação do excelente trabalho.

      Eliminar
  2. Ganda Mister,

    Obrigado por todos os esclarecimentos.

    Só tenho pena que o quadro tenha vindo no comunicado do clube sem qq tipo de explicação ... anda o clube a dar de comer a porcos e hienas escusadamente.

    Bastava terem sido assertivos e esclarecedores QB no comunicado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo! O comunicado do Sporting não era esclarecedor e este assunto pela sua importância deveria ter tido outro tratamento por parte do clube.

      Acredito que alguém da SAD dê uma entrevista nos próximos tempos, depois de saírem os resultados do 1º trimestre. Provavelmente o Carlos Viera fará uma análise às contas.

      Eliminar
  3. Grande trabalho, muito obrigado e parabéns!

    ResponderEliminar
  4. Outra cena é as acções passaremd e A para B se passarem do clube para fora. O clube manda sempre na SAD.

    ResponderEliminar
  5. Autêntico serviço público leonino!!

    ResponderEliminar
  6. Com o alargamento do prazo sas VMOC A, não haveria a possibilidade e (vantagem) da não emissão das VMOC C?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É difícil dar uma certeza absoluta, um vez que não tendo o acordo de dilatação de prazo das VMOC A. Pode existir lá uma cláusula de obrigatoriedade de emissão das VMOC C.

      De qualquer forma o melhor negócio passa por emitir as VMOC C.

      Eliminar
    2. Estive a reler e a dúvida alterou para em que medida a emissão das VMOC C é favorável.
      Se o Sporting conseguisse recuperar financeiramente de tal forma que fosse capaz de liquidar as VMOC A sem recurso às C teria um maior controlo percentual da SAD por não ter de emitir VMOC às quais não tem opção de compra garantida.
      Para o SPORTING seria negativo ter de investir 55M, mas teria maior margem para futuramente, e se necessário, vender percentagem da SAD a investidores.
      Seria extremamente favorável para os bancos (com os quais poderíamos rever algum acordo) por receberem capital e não terem de ver a sua percentagem aumentar substancialmente

      Eliminar
    3. Sim, se o Sporting não emitir as VMOC C e ficar apenas com as VMOC A + B fica com a possibilidade de ter uma percentagem maior. (cerca de 65%)

      Só que neste caso terá de pagar os 55Milhões das VMOC A + 44 Milhões das VMOC B. Logo, gastará 99 MIlhões de Euros.

      Se emitir as VMOC C o Sporting só terá de "gastar" os 44 Milhões das VMOC B para ficar com a maioria do capital.

      Diria que a emissão das VMOC C é o melhor caminho, pela razão que o Sporting tem necessita de menos dinheiro para conseguir manter a maioria do capital da SAD.

      Mas há a questão da cotação das acções. Se por algum motivo a cotação estiver muito baixa pode haver aqui uma aberta para fazer outro tipo de negócio.

      Não vale a pena especularmos muito sobre o assunto. O Sporting tem de arranjar os 44 Milhões para as VMOC B. Isso é que é o essencial. O resto ficará para direcção decidir em tempo próprio.

      Para já, reafirmo a importância de conseguirmos liquidar os 30 Milhões em obrigações em 2018. Esse é o primeiro ponto.



      Eliminar
    4. Agora sim penso que já percebi a situação, muito obrigado.
      O essencial é não entrar em loucura (o que com esta direção nunca aconteceu), entrada na Champions e valorização de ativos para venda (por muito que nos custe).
      O objetivo dos 30M em 2018 vai requerer um grande esforço mas tendo em conta a nova política de vendas e o maior controlo das percentagens de passes de jogadores, pode ser concretizado. É possível que a venda do Gelson seja mais que suficiente para fazer face a esse valor.

      Eliminar
  7. O teu artigo está muito bom! Parabéns!

    Um pequeno detalhe: no início do artigo dizes que as VMOCs 'podem' ser convertidas em capital, mas o facto é que 'têm obrigatoriamente' que ser convertidas em capital.

    Mantenho uma dúvida, provavelmente porque não estive atento aquando do prolongamento da data de conversão das VMOCs A em capital para 2026: este prolongamento não estava prevista no acordo quadro de reestruturação? Foi uma negociação complementar?
    Foi afirmado pela direcção que as VMOCs C já não seriam emitidas, em virtude desta negociação? Ou foi só adiada a sua emissão?

    Caso as VMOCs C já não sejam emitidas, o SCP terá que adquirir pelo menos 25M das VMOCs A em 2026 para manter a maioria do capital da SAD. A que acrescem os já previstos 44M das VMOCs B, perfazendo 69M no total.

    E nesse caso terá sido infeliz a divulgação de uma tabela que está desactualizada, por prever as VMOCs C.

    Mas se o SCP e banca mantiverem a intenção de emitir as VMOCs C, quando é que será realizada essa missão? Em 2026, visto que é nessa data que vencem as VMOCs A? Com que prazo de maturidade? Não faria mais sentido a entrada directa da banca no capital nessa altura?

    bigfoot

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Podem" pela razão que nem sempre são convertidas. Vejamos o adiamento das VMOC A

      Já alterei, para não fazer confusão. :)

      Na reestruturação financeira não estava previsto o adiamento das VMOC A. O que estava previsto era mesmo a emissão das VMOC C para liquidar as VMOC A. A direcção nunca se pronunciou publicamente sobre a emissão das VMOC C, pelo menos que eu me lembre. Acredito que mais tarde ou mais cedo serão emitidas as tais VMOC C para liquidarmos as VMOC A. Até porque temos todo o interesse nisso!

      Sim, se as VMOC C não forem emitidas o Sporting terá de adquirir 69 Milhões de acções. Ai já não consigo dizer cabalmente quais as VMOC que darão mais jeito comprar, se as VMOC A ou B, uma vez que não conheço os contornos do acordo de adiantamento das VMOC A. Mas não me parece que isso vá acontecer. Tudo me leva a crer que vamos mesmo emitir as C.

      Quanto à última questão, não faço ideia. Só o Sporting pode responder a isso. Acredito que seja feito quando der mais jeito. O Sporting está com margem de manobra para jogar com isso.

      Eliminar
  8. Não consigo ler o post todo. Este assunto é seca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assunto bem mais interessante e importante do que saber quem mete o JJ a jogar a lateral esquerdo.

      Pessoalmente tinha algumas duvidas quanto ao assunto, se bem que tenho bastante confianca no trabalho desta direccao na parte financeira, mas fico mais descansado do que ja estava, agradeco o esclarecimento.

      Eliminar
  9. Excelente esclarecimento. Haverão sempre uns anhucas que vão fazer de conta que não entendem e vão continuar a sua triste sina de dizer mal escondidos covardemente nas redes sociais mas isso é o pão nosso de cada dia, já que eles (alguns deles) todos os dias e todas as horas dizem mal só porque lhe falta o brinquedio a uns e o croquete a outros. Siga para Bingo

    ResponderEliminar
  10. Muito obrigado pela explicação porque cada vez que tento perceber alguma coisa disto cada vez fico mais baralhado.

    De qualquer maneira, temos um futuro MUITO difícil.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O primeiro grande obstáculo é me 2018 onde temos 30Milhões em Obrigações. Era excelente se conseguíssemos encontrar forma de liquidar isto.

      Eliminar
    2. Caro Mister. Em condições normais o SCP emite novas obrigações para pagar as antigas e pode com certeza baixar a taxa de juro (as atuais é de 6,25%).

      Eliminar
    3. O SCP vai provavelmente emitir novas obrigações para pagar as antigas mas com taxa de juro mais baixa (a atual 6,25%).

      Eliminar
    4. Não me agrada emitir novas obrigações. Se tivermos a possibilidade de acabar com esta bola de neve em 2018, melhor!

      Eliminar
    5. Eu investi nas obrigações, dá me para pagar as minhas quotas de sócio e dos meus filhos e ainda sobra (o 2017 já está todo pago). De qualquer forma, concordo contigo, devemos atentar às taxas de juros, e se conseguirmos formas de financiamento com juros mais baixos melhor. Julgo que também é uma forma de os bancos verem que existem investidores que confiam no Sporting (a ultima foi com um racio de 2,57 de procura).

      Eliminar
  11. Muito boa esta explicação! Para guardar e dar a ler a quem anda sempre a inventar histórias e a deturpar os factos.

    Obrigado pelo "serviço público".

    ResponderEliminar
  12. Mister, mais um esclarecimento pf:
    "Como podem verificar, no final do exercício 2015/2016, o Sporting tinha cerca de 3 Milhões de Euros acumulados para fazer face a obrigações futuras com a banca, entre as quais a liquidação das VMOC com opção de compra. Importa salientar que só em Slimani e João Mário esta rubrica crescerá cerca de 16 Milhões esta época, num movimento que será reflectido no final do próximo exercício económico a 30 de Junho de 2017."

    Tal significa que dos 44 Milhões que o Sporting terá de pagar à Banca, no final da presente época a 30 de Junho de 2017 o Sporting terá 19 Milhões de euros reservados para essa operação (assumindo que não gasta nada disso entretanto)?
    Vamos imaginar que o Sporting no próximo verão faz mais 2 vendas e acumula mais 25 Milhões de euros a somar aos 19 Mihões, totalizando 44 Milhões euros nessa conta. Tal significaria que o Sporting podia antecipar a compra das VMOC B poupando nos juros anuais até 2026?

    Excelente trabalho e obrigado pelos esclarecimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, exactamente isso. Mas é muito provável que algum desse dinheiro seja utilizado para fazer face a compromissos do exercício em curso.

      Quanto a um resgate antecipado, não lhe posso garantir com toda a certeza que exista essa possibilidade, uma vez que não tenho acesso ao acordo, mas julgo que sim.

      Em relação aos juros, só serão pagos em época onde exista lucro distribuível. Isto é o mesmo que dizer que só pagamos os 4% quando os exercícios dão lucro, como acontecerá com o exercício em curso, após as vendas de Slimani e João Mário.

      Outra coisa importante. Contratualmente, o Sporting só terá de colocar o dinheiro na conta de reservas "até ao dia 30 do mês imediatamente seguinte ao mês em que terminar cada época desportiva". Isto é o mesmo que dizer que só a 30 de Julho de 2017 é que o dinheiro terá que estar na conta de reservas.

      Eliminar
    2. Lá dizia o outro, "porreiro, pá"! :-)

      Já agora mais uma pergunta: e interessaria ter a curto prazo o MBCP e o Novo Banco como os 2os maiores acionistas das SAD? É possível prever algum tipo de interferencia na gestão ou até algum tipo de benefício?

      Obrigado novamente!

      Eliminar
    3. Não há qualquer tipo de interferência na gestão do Sporting. Uma entidade até podia ter 49,99%. Não manda absolutamente nada.

      Mesmo que por uma qualquer eventualidade o Sporting perdesse a maioria do capital da SAD, está sempre salvaguardada pelas acções de categoria A, que só o clube pode deter. Estas acções, entre outros "poderes" conferem ao clube o direito de veto sobre todas as decisões tomadas em AG da SAD. Aliás, basta a não presença do representante do Sporting (clube) na AG para que a mesma não se realize.

      Eliminar
  13. Caro Mister,

    Tenho que lhe dar os parabéns pelo post! Está excelente!

    Tenho uma questão.... relativamente aos 80 Milhões das VMOC B o Sporting só tem o direito de opção de 44 Milhões, ficando os restantes 36 Milhões nas mãos dos bancos e dos pequenos investidores.
    Porque razão as VMOC B têm esta particularidade? porque não tem o Sporting a opção de compra dos 100%?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é uma pergunta interessante para a qual não tenho resposta concreta. Foi o que ficou estipulado no acordo. Não posso avançar com muito mais.

      Contudo, deixo ficar mais uma informação relevante e que vou adicionar no post. As VMOC B foram subscritas pelo Novo Banco (24M) e pelo BCP (56M). Por saber está também a que entidade pertencem as VMOC que o Sporting detém o direito de compra.

      Eliminar
  14. Após os VMOC C, vão-se seguir os VMOC D para pagar os VMOC C que serão emitidas para pagar os VMOC A.
    Virão os VMOC E, para pagar os VMOC D que tinham sido emitidos para pagar os VMOC C pois os VMOC A continuam por pagar.
    De seguida vêm os VMOC F, para pagar os impagáveis VMOC E, originalmente emitidos para o pagamento dos VMOC D que ainda não foram pagos mas que foram emitidos para pagar os VMOC C enquanto os VMOC A continuam por pagar.
    FINALMENTE e após 2026, seguem-se todas as outras letras todas do alfabeto romano, árabe, chinês e grego. Realisticamente e tomando como exemplo a prorrogação do prazo de 2016 para 2026, isto é um empréstimo sem fim para não "deixar cair" um clube.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, eu compreendo a azia pelo facto de o Benfica não ter renegociado em bom tempo com a banca.

      O seu clube não usa VMOC, mas nas Obrigações e papel comercial é "Rei".

      - 45 Milhões em Obrigações em 2018
      - 50 Milhões de Obrigações em 2019
      - 40 Milhões papel comercial em 2019
      - 30 Milhões papel comercial 2016

      Para além disto, o seu clube tem mais 230 Milhões de empréstimos concedidos pela banca (BCP, CGD e Novo Banco).

      Contas redondas são 400 Milhões de Euros

      https://s21.postimg.org/4zttesu8n/carnide.png

      Eliminar
    2. Caro MdC, obrigações todas as grandes empresas emitem, todas. VMOC não.
      E para provar o sucesso das obrigações emitidas pelo Glorioso Tri Campeão Benfica, na última emissão houve rateio de um valor 50 vezes inferior ao que foi subscrito, por outras palavras, a procura excedeu em 50 vezes a oferta. Isto prova a confiança que todos depositam no Glorioso Tri Campeão Benfica devido a uma gestão criteriosa e extremamente pujante.

      Eliminar
    3. "A procura excedeu a oferta em 50 vezes a oferta"

      Ora, se a oferta era de 50 Milhões:

      50M x 50 = DOIS MIL MILHÕES E MEIO

      É mesmo isso!!! A Porta-18 está "muita forte"...

      Eliminar
    4. Claro que excedeu em 2,50 e não em 50.
      Agora vir com o argumento da porta 18 de alguém que acaba de proferir a frase "excedeu a oferta em 50 vezes a oferta" é muita oferenda junta. 2000 ofertas.

      Eliminar
    5. 50 vezes ...... aahahhahahahahhahahhahhahhahahhaha

      Eliminar
  15. Negocio ruinoso para a Banca resgatada pelo dinheiro dos contribuintes. Vergonha!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ruinoso era não terem chegado a acordo, burro de merda. Aí é que o contribuinte pagava, agora é apenas um adiamento.

      Eliminar
    2. Um adiamento até nunca mais... Eu, se falhar o pagamento das minhas responsabilidades fico sem casa, carro,.... Nao tenho direito a adiamentos sem fim á vista, nem injeções de capital a taxas de juro que fazem corar de vergonha as pessoas sérias . Isto é um empréstimo sem fim, à taxa 0% (ou próximo de 0%) para salvar um clube. Isto inquina completamente a verdade desportiva, na medida em que favorece claramente um clube, face aos concorrentes que pagam empréstimos a 6% e 7%

      Eliminar
    3. Gostava de saber a sua opinião em relação ao facto de o Benfica ter um centro de estágio patrocinado pela CGD, assim como acontece com o Porto e o seu pavilhão.

      Isto também inquina a verdade desportiva?

      Eliminar
    4. O Sr é suficientemente inteligente para saber que uma coisa nada tem que ver com a outra. O Sporting também tem patrocinadores, sejam ou não entidades financeiras. Não é disso que estamos a falar.

      Eliminar
    5. Uma entidade detida pelo Estado ajuda Benfica e Porto excluindo o Sporting. Isto não fere a verdade desportiva que tanto apregoa?

      O Sporting fez uma negociação com duas entidades privadas que na altura não tinham sido "intervencionadas" pelo Estado. Este tipo de acordo pode ser feito por qualquer particular ou empresa mediante uma negociação prévia. Obviamente, a banca não tem particular interesse em ficar com as casas das pessoas, havendo a possibilidade de resolver o problema através de um acordo.

      Eliminar
    6. A CGD excluiu o SCP??
      Todos os dias passo perto do estádio de alvalade e a maior publicidade presente no estádio é de longe da CGD. Qq coisa sobre leão ter orgulho em mostrar cartão da CGD...

      Eliminar
    7. "Este tipo de acordo pode ser feito por qualquer particular ou empresa mediante uma negociação prévia."
      Gostava que me desse um exemplo de outra qualquer empresa que tenha condições semelhantes à SCP SAD.
      135ME, sobre os quais só pagará juros se tiver lucros distribuíveis.
      Obrigado!

      Eliminar
  16. Que trabalho excelente!

    Contudo, muito dinheiro a sair do clube. Que pena a presidência do Godinho ter existido. Não será nada fácil fazer face a estas obrigações.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a do JEB, Soares Franco, Dias da Cunha e Roquette...

      Todos deixaram graves prejuizos ao Sporting, com excepção de Soares Franco que deixou 300 mil euros de lucro no seu mandato.

      Para o conseguir vendeu o Alvalaxia, Holmes Place, Edifício Visconde de Alvalade e a CUF

      Eliminar
    2. Mas a academia não foi também "vendida" já no mandato de BdC?
      O que vale é que "o pavilhão está pago meus senhores, mas contribuam para a missão pavilhão".

      Eliminar
    3. A academia não foi vendida. Houve uma mudança no tipo de financiamento que estava contratualizado desde o inicio da Academia. Neste momento a Academia é do Sporting em regime de leasing. Para que as pessoas percebam melhor, é o mesmo funcionamento da compra de um carro no mesmo regime.

      Sim, por muito que isso custe a muita gente, o Pavilhão João Rocha está pago! E os sócios foram muito importantes para esta conquista.

      Eliminar
    4. Se o regime de leasing é o mesmo que se aplica aos automóveis e aos imóveis, então não é do Scp até pagar no final do contracto o valor residual.

      Eliminar
    5. Ou haverá também um regime particular de leasing especialmente adaptado ao Scp, tal como os VMOC?

      Eliminar